segunda-feira, 18 de agosto de 2008

Enquanto tiver cavalo...

Eu queria não nascer
Não parir esta personalidade
Não ter que ser eu ou não ter um eu para ter que ser

Queria morrer só um pouquinho
Porque dormir já não descansa

Queria aceitar as coisas e as pessoas como elas são
E assim seguir remando a favor da maré
[Tão mais fácil...]

De que me serve toda esta inquietude?
Toda esta vontade?

Personalidade... Consciência... Opinião...
Virtudes descartáveis para uma vida saudável nas atuais circunstâncias.

Todos os meus heróis já quebraram...
Talvez fossem de barro, como santos de altar...
[Frágeis...]

A utilidade das pessoas se mede mesmo, não pelos heróis que porventuram possam se tornar, mas pela quantidade de "São Jorge" que elas conseguem carregar no lombo.
[E, modéstia a parte, já estou tão craque nisso que já faço até malabares com os santinhos!]

E viva a humanidade cada dia mais eqüínea!
Um viva a todas nós!

8 comentários:

Salve Jorge disse...

E haja ferradura
Que nessa estrada
A noite é deveras escura
E há quem jura
Assombrada
Pela indolência mal-fadada
Da espécie humana
Que não desencana
E prefere a terra plana
Que oval
Mas espero sinceramente
Que antes do final
LHe chegue à frente
Um santo diferente
Capaz de com um milagre magistral
Deixá-la mais sorridente...

Gata Borralheira disse...

Gostei muito do que você escreve.
Vou ficar sempre vindo aqui ler seus textos, tá?
Estou começando meu blog agora e estou precisando ler blogs interessantes pra saber o que vou fazer com meu.
Parabéns pelo seu!
Beijos...

Camila

Gata Borralheira disse...

Marina, vim aqui agradecer pelas dicas de blog que você me deu, cada um melhor que o outro... Incrível!
Estou me deliciando com a leitura... Cada um com seu estilo, mas todos com um talento invejável...

Brigada!

Camila

André disse...

é disso que eu gosto!

Tatah Marley's Confissões disse...

MARAVILHOSO, me vi todinha neste poema!
x)

Camilinha disse...

eu ainda não aprendi a não ser...


adorei o texto!


beijos daqui...

André disse...

Quando eu volto a escrever, você para! rsrs
como sempre, adorei o texto marina!
bjos!

***Alê*** disse...

Sim não me arrependo de ter nascido
O que seria de mim se não fosse essa personalidade?!
Que em muito ajuda, outras vezes atrapalha.
Carinha de anjo corpo de mulher...Mãos de fada, mãos que acolhem...Coração frio, coração iludido, maluco , despedaçado...
Sim morrer, morrer talvez seria a solução, mas ainda estpu apegada a essa mundo de ilusão
Ahh, pessoas...Essas que amamos, que odiamos, perdoamos, não nos desgrudamos.Pessoas que cercam nossas vidas e não entendemos..Corro, fujo, me escondo, me engano?Qual é a resposta?Qual é a chave?Qual é o segredo?
Queria aceitar, queria entender, mas tudo se volta contra mim mas não sei o porquê...
De que me serve os planos, os amores, as decepções...Tantas decepções...
Pra que servervem as pessoas?!Minha mente não entende, grita, bate, mas nada se resolve...Não quero, não entendo...Mas espero, pois sou covarde, resolver não posso, então esperar éa aolução que alimenta minha solidão!!!!