terça-feira, 29 de julho de 2008

Inverno nas ladeiras

"Descendo a rua da ladeira, só quem viu que pode contar."
As pernas bambas e o nariz vermelho no vento frio. Cortante.
A respiração meio ofegante. Boca seca.

"Cheirando a flor de laranjeira Sá Marina vem pra dançar."
Escolheu a melhor pedra pra se equilibrar
Para sambar a vontade e de mente aberta... vazia.
Embebedada ao som de samba
Embriagada pela melodia regada
"Roda pela vida afora. Põe pra fora essa alegria"
Comemora. Ri e chora.
Uma brincante no meio da rua
Também amante à luz da lua.
Vai pra casa trazendo consigo o sol...
"Dança que amanhece o dia pra se cantar."
A voz rouca e a cabeça louca
A direção já não importa mais
"Dança 'com' essa gente aflita, se agita..."
E se encanta com tantos olhares
Que acompanham ou não o seu passo
Que se perdem e se encontram
E se mostram e se escondem
"Mostra toda essa poesia no olhar"
Revelado nas fotografias
Os ângulos e as poses
Os dias e as noites.
"Deixando os versos na partida
E só cantigas pra se cantar
Naquela tarde de domingo"
Se foi, mas com vontade de ficar!
(inserções de fragmentos da música Sá Marina de Antônio Adolfo e Tibério Gaspar)

Um comentário:

Bill Stein Husenbar disse...

Belo Inverno esse, dos dias melancólicos e da chuva abundante...

http://desabafos-solitarios.blogspot.com/