domingo, 24 de maio de 2009

(EM CONSTRUÇÃO) Desculpe-nos o trantorno... estamos trabalhando...

AAAAAhhhhhhhhhhh...
um grito seguido de silêncio.
um silêncio frio... cortante...
um silêncio ensurdecedor!

aquela angústia entrecortada de tristeza, sob uma capa de alegria e falsidade.

o peito tão frio quanto aquela cerveja numa noite de inverno.

quanta coisa, meu Deus! quanta coisa...

a lágrima quente escorrega na face gelada como se fosse um tobogã...
alheia ao motivo de ela estar ali, não se importa, e continua a descer, queimando a tês machucada pelo cansaço, quase se divertindo...
ao encontrar a boca, se dissipa num meio sorriso, e é engolida com um quase prazer...

aquela dor que se confunde e se difarça num cansaço... numa coisa qualquer que me esconda de mim mesma e me omita aquilo que só eu enchergo em mim...

2 comentários:

Anônimo disse...

Lindo e ao mesmo tempo triste. Mas me identifico com tudo isso. Sou visitante constante por aqui, gosto da forma que podemos nos expressar querendo ser ouvidos e ao mesmo tempo querendo nos esconder atrás das palavras. Costumava fazer isso também, mas por algum motivo de desculpas esfarrapadas não tenho feito. Ainda acho que vamos musicar alguma dessas coisas, não é? Bjocas

André de la Costa disse...

quanto tempo sem te ler marina...
ficar sem te ler é bobagem. Preciso as vezes desse universo que se confunde a dor e um sorriso.
sem exageros, adorei!
bjos